Buscar por:

O Uso de Facas na Indústria Alimentícia

26/05/2020 - Educação - por Gamiluva

Nas atividades alimentícias, assim como nas frigoríficas, existe uma grande manipulação de facas e objetos cortantes. O trabalho, às vezes, pode ser perigoso e fisicamente desgastante para o colaborador, com o uso de ferramentas que podem trazer lesões sérias, se usadas incorretamente.

O uso correto do EPI, (equipamento de proteção individual), com certeza, reduz drasticamente o número de acidentes, principalmente nas mãos e nos braços dos colaboradores.

Embora isso seja de conhecimento da maioria das indústrias de processamento de carnes, aves, pescados ou ate mesmo hortifrútis, implantar o uso do Epi pode ser uma tarefa bem difícil.

Por isso, existe uma necessidade constante de programas consistentes de segurança para um conhecimento profundo dos riscos da atividade e como evitar acidentes.

O SESMET (Serviço Especializado de Engenharia e Segurança e Medicina do Trabalho) envolvido diretamente nesse processo pode começar reconhecendo os riscos específicos da atividade e implementando o uso  do Epi mais apropriado para evitar um acidente.

 

Uso de Facas: você está seguro?

No processamento de carnes, aves e pescados, (para cortar, preparar e embalar os alimentos produzidos), o uso de lâminas, facas, e outras ferramentas afiadas é alto e necessário.

Usados de forma inadequada ou com má formação, no entanto, essas ferramentas podem tornar-se perigosas, com a possibilidade de ferimentos graves.

Existem três fatores importantes que contribuem para isso:
 

– A rotatividade dos trabalhadores

Embora sejam fornecidas orientações na contratação e treinamentos no local de trabalho, a quantidade de treinamento ministrado pode ser limitada, em alguns casos, pois se espera que os novos funcionários entrem rapidamente nas posições vagas.

Algumas plantas podem ter taxas de rotatividade de 100% no período de um ano.
 

– Linhas de processamento

Projetadas para operar da maneira mais rápida e eficiente possível, os trabalhadores podem não conseguir acompanhar a velocidade escolhida, geralmente causando ferimentos perigosos, mas evitáveis.

Em muitos casos, os trabalhadores são feridos ao usar facas em locais extremamente próximos um do outro, enquanto dissecam ou cortam, aumentando a possibilidade de acidentes.
 

 – A tensão física e ergonômica

Mais do que qualquer outra indústria de transformação, os trabalhadores de processamento de carne e aves podem sofrer intensa tensão física e ergonômica  durante o dia de trabalho.

Para aqueles que trabalham em uma linha de corte, existe o risco de sofrer um acidente de corte ou uma Lesão por Estresse Repetitivo (LER).

Essas lesões podem ocorrer quando uma pessoa executa as mesmas tarefas repetidas vezes, causando danos e irritação aos grupos de músculos e tendões utilizados, que podem incluir parte superior do corpo, mãos, pulsos e costas.

 

Linha de Luvas CUT KEEPER BLUE

Luva REF295A Linha de produtos CUT KEEPER, desenvolvida com a mais alta tecnologia pela Gamiluva, é composta por Luvas, Mangotes e Aventais, desenvolvidos com a mais alta tecnologia, possui nível máximo de proteção para Corte, com um TDM (F) (corte altíssimo), além de proteção térmica  para Frio, o que melhora sensivelmente a sensação térmica, para o colaborador, na manipulação de alimentos  resfriados ou do frio do ambiente em que está executando a atividade

A Luva Tricotada resistente ao corte, 295 BLUE, além da prevenção contra danos relacionados à lesão por corte e Frio, é muito maleável e permite ao colaborador o manuseio de objetos com destreza e conforto por ser confeccionada em peça única, sem costuras internas. Estas funcionalidades são alcançadas graças à combinação de fios de alta tenacidade e do aço inoxidável, com gramatura ideal que visa à proteção sem a perda da sensibilidade.

As Luvas Tricotadas resistentes ao corte  duram por mais tempo e podem ser higienizadas, se forem utilizadas corretamente de acordo com as instruções de uso do fabricante.

Outra característica desse EPI é a sua leveza, o que viabiliza sua utilização  em  vários setores da indústria, como nas alimentícias, frigoríficos, pescados, cozinhas industriais, etc.

 

Saiba como Higienizar a sua Luva

Muitas empresas e usuários querem deixar a luva isenta de manchas e fazem verdadeiras maratonas para conseguir este objetivo. Utilizam alvejante, cloro e até mesmo água fervendo.

As Proteínas e albuminas (sangue, molho, ovo) são matérias, na maior parte, solúveis em água fria e soluções alcalinas diluídas.

Por outro lado tendem a coagular e fixar-se através do uso de temperatura ou de soluções demasiadamente concentradas.

A recomendação ao lidar com este tipo de sujidade, por exemplo manchas de sangue, é  iniciar-se o processo com água fria e assim conduzir até a sua total eliminação do tecido.

Conclusão:

Treinamento no uso das ferramentas, linhas de processamento mais adequadas, orientação no uso regular de exercícios que ajudem a diminuir o risco de lesões por tarefas repetitivas e por exposição térmica, aliados a um Epi adequado à função e de alta performance, como a Luva Cut Keeper Blue 295, reduzem, drasticamente, o risco de acidentes no ambiente de trabalho, proporcionando muito mais segurança ao trabalhador.

Gostou deste artigo? Caso queira receber mais informações relacionada a este assunto, deixe seu contato nos campos abaixo:
Sobre o autor: Gamiluvahttps://www.gamiluva.com.br A Gamiluva é uma empresa do grupo Gamisol que desde o inicio da década de oitenta tem investido constantemente em infraestrutura e tecnologia para satisfazer a demanda de nossos clientes e alcançar as expectativas de qualidade de nossos produtos.
Publicidade:
×
E-mail:
Senha:
Manter-me conectado
Entrar
Esqueci Senha | Cadastre-se
×
Enviar Lista de EPIs por E-mail
Remetente:
E-mail Remetente:
Destinatário:
E-mail Destinatário:
Mensagem:
Enviar
×
Minha Lista de EPIs Nenhum Item
×

O que é CA?

O CA - Certificado de Aprovação - é um documento emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego que tem por finalidade avaliar e manter um padrão nos equipamento de proteção.

A NR6 - que regulariza os equipamentos de proteção individual - exige que todo equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a marcação do CA.

Para se obter um CA, o fabricante ou importador, deve enviar uma amostra do equipamento para um laboratório autorizado, o laboratório faz testes com esse equipamento e emite um laudo com as características do produto. Esse laudo é enviado ao MTE para emissão do CA que garantirá o padrão dos equipamentos que devem obedecer as especificações presentes no laudo.

Como funciona o Portal ConsultaCA.com? Assista nosso vídeo!