Buscar por:

Gestão de riscos na construção civil: reduza os acidentes de trabalho

12/09/2019 - Saúde e Higiene Ocupacional - por Marluvas

Recentemente falamos por aqui sobre o trabalho na construção civil e os riscos que ele esconde. Assim abordamos rapidamente algumas medidas de segurança capazes de minimizar o número de acidentes de trabalho. E falamos sobre alguns dos equipamentos de proteção individual recomendados para quem atua na área. Afinal, é obrigação do empregador fornecer ao empregado um ambiente de trabalho seguro e saudável.

O colaborador que tem sua segurança promovida e sua saúde preservada, se sente mais motivado e acaba entregando melhores resultados. Porque a gestão de riscos é uma das formas mais eficazes de antecipar possíveis acidentes. Além de identificar diferentes riscos e aplicar todas as correções necessárias em qualquer ambiente, entre eles o canteiro de obras.

Você sabe o que é e como funciona a gestão de riscos?

A gestão de riscos é um conjunto de ações estratégicas que visam a previsão dos mais diversos riscos relacionados a uma ou a várias atividades. Nesse sentido, essa prevenção é feita por meio da identificação, da administração e da condução desses riscos. Assim, por meio desse processo é possível atuar de forma antecipada, cortando o mal pela raiz. Pois essa ação ajuda a evitar perdas materiais e humanas. Dessa maneira mais do que apenas detectar e controlar possíveis acidentes, a gestão de riscos auxilia na criação de um ambiente amigável ao trabalhador.

A gestão de riscos é indicada e deve ser implantada em diferentes situações. 
Assim entre elas podemos citar: 

1) Quando há necessidade de implementar controles que não estavam previstos no projeto inicial. 
2) Quando mudanças significativas no ambiente ou nos procedimentos de trabalho forem realizadas. 
3) De forma emergencial em caso de detecção de erros a serem corrigidos ou de ocorrência de acidentes. 
4) De maneira periódica e preventiva.

Em resumo: a gestão de riscos deve servir para a difusão de uma cultura de prevenção de acidentes e promoção da saúde dentro do ambiente de trabalho. Decerto que a inserção dessa cultura deve envolver absolutamente todos os setores da empresa ou, no caso da construção civil, todas as atividades realizadas em cada uma das etapas da construção.

Quais as etapas para implementação da gestão de riscos?

Assim como tudo o que queremos realizar de forma efetiva em nossas vidas, o primeiro passo para a elaboração e implementação da gestão de riscos é o Planejamento. Pois é durante o planejamento que é decidido como tudo será feito: qual metodologia será utilizada? Quais as ferramentas disponíveis? Como o gerenciamento será executado na prática?

Depois do planejamento é hora da segunda etapa: Identificação dos riscos. Afinal este é o momento de ouvir todos os colaboradores, ou pelo menos um representante de cada setor. Por isso na construção civil ouça os profissionais que atuarão em cada uma das etapas da obra. Aliás aproveite o momento para identificar também os riscos administrativos. Lembre-se que a gestão de riscos deve abranger toda a empresa, até porque se sua gestão administrativa comete muitas falhas, dificilmente a parte produtiva dará o retorno esperado.

Depois de analisar friamente todos os possíveis riscos que envolvem os processos da empresa, chegamos na terceira etapa: a análise qualitativa. Então nessa etapa todos os riscos são agrupados e priorizados por probabilidade de ocorrência e impacto causado. Em resumo a análise qualitativa é seguida pela quantitativa, que compreende a quarta etapa da gestão de riscos. Enfim essa etapa consiste basicamente na transformação da análise anterior em números.

Porque depois de realizar as análises é hora de planejar as respostas aos riscos. É aqui que a segurança do trabalho começa a apontar as medidas corretivas e preventivas para cada um dos riscos detectados. Lembrando que existem normas regulamentadoras específicas para os diferentes grupos de riscos e suas recomendações devem, obrigatoriamente, ser levadas em conta nessa etapa da gestão de riscos.

O monitoramento é a sexta etapa da implementação da gestão de riscos

Então acompanhe como os riscos se desenvolvem e observe se sua classificação foi feita corretamente. Lance mão de sistemas de planilha, relatórios e indicadores. Dessa maneira, esteja sempre atento e aberto à possibilidade de identificar novos riscos e também à readaptação das medidas corretivas adição de medidas preventivas.

Esses são os seis passos básicos para a implementação e desenvolvimento da gestão de riscos. Então não esqueça que um bom gerenciamento de riscos vai além da proteção da saúde e segurança do colaborador. Porque ela abrange também toda a parte administrativa da empresa protegendo suas finanças, seus planejamentos e seus sistemas internos (hardwares e softwares).

Gestão de riscos administrativos e a construção civil

Do que exatamente estamos falando quando tocamos no assunto: riscos administrativos na Construção Civil? Apesar dos perigos existentes no canteiro de obras saltarem mais facilmente aos nossos olhos pela capacidade de causarem danos diretos à saúde do trabalhador. Os riscos administrativos existem e podem ser fatais para a “saúde” da empresa como um todo.

Pense comigo: os preços dos insumos oscilam com frequência; a produtividade pode ser variável por diversos motivos e um desses motivos é a dependência do serviço de terceiros:  fornecedores, subempreiteiros e projetistas, por exemplo. Os altos e baixos do setor econômico comprometem a disponibilidade dos recursos financeiros e as greves, por sua vez, comprometem o andamento do serviço.

É importante que todas essas variáveis sejam levadas em consideração durante a elaboração da gestão de riscos. Você deve prever absolutamente todos os eventos capazes de comprometer seus rendimentos e resultados: riscos econômicos, de operações financeiras, falhas técnicas, de projeto e de relacionamento. Prevendo essas variáveis você será capaz de se antecipar a elas e permanecer sempre um passo à frente.

Efetive a cultura da gestão de riscos

Promova palestras, treinamentos e “ações silenciosas” a fim de difundir a gestão de riscos entre todos os colaboradores da empresa. Uma reunião com absolutamente todos os funcionários da empresa em um único momento pode parecer inviável. Apesar disso, é possível distribuir urnas no espaço de convívio para que eles depositem por escrito as suas observações sobre os riscos percebidos no desenvolvimento das suas atividades.

As palestras servem para difundir informações sobre procedimentos, medidas protetivas e preventivas e conscientizações mais abrangentes. Aproveite para orientar quanto ao uso dos equipamentos de proteção individual e para reforçar os procedimentos operacionais que garantem a integridade individual e coletiva. Os treinamentos podem ser mais direcionados a fim de reforçar a correta utilização de determinados equipamentos e a realização de atividades desenvolvidas por grupos específicos.

Marluvas Equipamentos Profissionais

Gostou deste artigo? Caso queira receber mais informações relacionada a este assunto, deixe seu contato nos campos abaixo:
Sobre o autor: Marluvashttps://www.marluvas.com.br Há mais de 45 anos, a Marluvas dava seus primeiros passos. Hoje, líder do mercado de calçados profissionais, a empresa valoriza e reconhece a importância de todos os momentos da sua trajetória. Só quem pode olhar para trás com tanto orgulho é capaz de seguir sempre em frente e chegar cada vez mais longe.
Publicidade:
×
E-mail:
Senha:
Manter-me conectado
Entrar
Esqueci Senha | Cadastre-se
×
Enviar Lista de EPIs por E-mail
Remetente:
E-mail Remetente:
Destinatário:
E-mail Destinatário:
Mensagem:
Enviar
×
Minha Lista de EPIs Nenhum Item
×

O que é CA?

O CA - Certificado de Aprovação - é um documento emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego que tem por finalidade avaliar e manter um padrão nos equipamento de proteção.

A NR6 - que regulariza os equipamentos de proteção individual - exige que todo equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a marcação do CA.

Para se obter um CA, o fabricante ou importador, deve enviar uma amostra do equipamento para um laboratório autorizado, o laboratório faz testes com esse equipamento e emite um laudo com as características do produto. Esse laudo é enviado ao MTE para emissão do CA que garantirá o padrão dos equipamentos que devem obedecer as especificações presentes no laudo.

Como funciona o Portal ConsultaCA.com? Assista nosso vídeo!