Buscar por:

Treinamento de brigada de incêndio: entenda por que investir!

20/08/2018 - Segurança do Trabalho - por Gaveiteiro

Todas as empresas precisam ter uma preocupação constante com a segurança do trabalho, garantindo, assim, o bem-estar de seus colaboradores e as condições necessárias para que executem o seu trabalho com qualidade e tranquilidade. Nesse aspecto, o treinamento de brigada de incêndio é um elemento essencial.

A partir da formação desse grupo especializado, as organizações terão a certeza de que estão minimizando os riscos de incêndios. Mesmo se ocorrerem, esse grupo estará apto a reduzir as suas consequências. Porém, para isso, é necessário preparar uma equipe que tenha condições de executar o trabalho.

Quer saber mais sobre o treinamento de brigada de incêndio e preparar a sua empresa para casos de risco? Explicamos tudo neste artigo. Continue a leitura para conferir!

O que é uma brigada de incêndio?

Formada por colaboradores da própria empresa, a brigada de incêndio tem o objetivo de contribuir para a prevenção e o combate de incêndios. Dessa forma, o grupo atua na identificação de elementos que possam causar fogo e, caso ocorra alguma situação, está preparado para lidar com o incidente.

Esse combate, inclusive, envolve algumas etapas muito importantes:

  • extinguir as chamas e impedir a proliferação do fogo;
  • ajudar na evacuação do espaço e garantir que todos saiam com segurança do ambiente.

A participação em uma brigada de incêndio acontece de maneira voluntária, e o profissional precisa estar ciente e assumir os riscos legais que envolvem esse tipo de atividade. Também é importante que os brigadistas estejam constantemente no prédio para que possam dar todo o suporte necessário.

Quando é obrigatório ter treinamento de brigada de incêndio?

De acordo com a legislação, não é necessário que todas as empresas contem com uma brigada de incêndio. Esse grupo deve ser criado para aquelas que tenham mais de 20 funcionários. Apesar disso, é comum que os negócios menores fiquem isentos dessa regra — embora tenham a obrigatoriedade de se preocupar com a segurança do trabalho.

As regras para instituição, treinamento e manutenção de brigadas de incêndio podem variar de um Estado para outro e precisam seguir instruções técnicas do próprio Corpo de Bombeiros. Há locais, por exemplo, em que a brigada só não é exigida em residências.

Por isso, as empresas precisam consultar e se adequar às regras estabelecidas nos Estados em que estão situadas. Além dessa particularidade, a formação de uma brigada de incêndio precisa seguir a Norma Regulamentadora número 23, mais conhecida como NR-23, que conta com importantes diretrizes.

É necessário consultar também a Instrução Técnica 17/2014, que estabelece as condições mínimas para:

  • composição da brigada de incêndio;
  • formação da equipe;
  • implantação, treinamento e reciclagem da brigada de incêndio;
  • quantidade de bombeiro civil para atuação em edificações e áreas de risco.

Além dessas duas legislações, também deve-se consultar a NBR nº 14.276. Essa norma determina os aspectos mínimos para que as empresas criem um programa de brigada de incêndio e, assim, possam proteger a vida e o patrimônio e reduzir danos ao meio ambiente.

O que diz a legislação sobre a brigada de incêndio?

A NR-23 estabelece uma série de diretrizes que deve ser seguida pelas empresas, com o intuito de contar com uma equipe de brigadistas altamente preparada para atuar em possíveis casos de incêndio.

As regras têm por objetivo garantir a proteção à vida e assegurar o bem-estar dos colaboradores de uma organização. Entre as exigências dessa norma regulamentadora para o grupo e cada brigadista que dele faz parte, estão:

  • deve ser voluntário e, no momento de sua formação, ser informado dos riscos que envolvem a atividade;
  • deve passar a maior parte do tempo no local de atuação, pois isso garantirá o correto atendimento em casos de risco;
  • deve realizar treinamentos de capacitação em combate a incêndios, identificação de situações de risco e formação teórica e técnica em primeiros socorros;
  • ter condições de elaborar e emitir relatórios e pareceres;
  • fiscalizar o estado de conservação dos equipamentos de segurança.

Além desses aspectos que envolvem a prevenção e o combate a incêndios, a brigada de incêndio também tem como responsabilidade garantir a saúde e o bem-estar dos funcionários da companhia enquanto eles estiverem no local de trabalho.

Por que investir no treinamento de brigada de incêndio?

A formação de uma brigada de incêndio não é apenas uma maneira de cumprir uma determinação legal, mas também um mecanismo que demonstra que a empresa tem respeito à vida e trabalha de forma a proteger seus colaboradores. Com isso, consegue gerar diversos benefícios. Alguns deles são:

  • avaliação de riscos de incêndio;
  • inspeção e manutenção dos equipamentos de combate a incêndios;
  • elaboração e inspeção de rotas de fuga;
  • orientação aos funcionários e visitantes da empresa;
  • realização de exercícios simulados;
  • coordenação de ações de evacuação em casos de incêndio;
  • contato e relacionamento com o Corpo de Bombeiros;
  • corte de energia em casos de incêndio ou situação de risco;
  • aplicação de primeiros socorros em caso de necessidade;
  • combate ao princípio de incêndio.

Quais os EPIs necessários para uma brigada de incêndio?

De acordo com a legislação, as empresas devem fornecer aos brigadistas Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para que possam proteger cabeça, olhos, tronco, membros superiores e inferiores. Esses materiais garantem a segurança dos voluntários nos momentos de combate a incêndios e ajuda na evacuação dos espaços.

Dessa forma, é preciso ficar atento a algumas situações:

  • devem ser disponibilizados roupas de proteção térmica e demais equipamentos de proteção, em quantidade e tamanho suficientes para atender a brigada;
  • os EPIs devem atender ao padrão específico de proteção para combate direto e indireto ao fogo;
  • em caso de atuações em zona quente, devem ser fornecidos proteção respiratória e aparelhos para o Sistema de Segurança e Alerta Pessoal (SSAP).

É importante que roupas e itens de proteção estejam guardados em locais de fácil acesso e que permitam aos brigadistas se preparar no menor tempo possível. Afinal, o tempo de resposta em chamadas de emergência precisa ser rápido para que possam fazer um atendimento eficiente e ágil.

A rapidez na prestação desse serviço é o que garantirá a segurança das pessoas em risco na hora de um incêndio. Além disso, é fundamental que todos os materiais estejam em perfeitas condições de uso.

Investir no treinamento de uma brigada de incêndio é uma forma de garantir maior segurança para a empresa, seus colaboradores e toda comunidade à volta. É um processo importante tanto para a construção de uma imagem socialmente responsável quanto para o cumprimento às normas de segurança.

Gostou deste artigo sobre treinamento de brigada de incêndio? Para complementar seus conhecimentos, não deixe de ler nosso conteúdo sobre os EPIs necessários para treinar brigadistas.

Até Breve!

Equipe Gaveteiro

Gostou deste artigo? Caso queira receber mais informações relacionada a este assunto, deixe seu contato nos campos abaixo:
Sobre o autor: Gaveiteirowww.gaveteiro.com.br O Gaveteiro.com.br está transformando o jeito que o as empresas fazem compras pela internet. Temos a maior variedade de suprimentos do mercado que inclui ferramentas manuais, pneumáticas e elétricas, EPI, produtos de limpeza, equipamentos de limpeza, abrasivos, equipamentos de solda, produtos de fixação, embalagens, material elétrico, material hidráulico, equipamentos para cozinhas industriais e móveis.
Publicidade:
×
E-mail:
Senha:
Entrar
Esqueci Senha | Cadastre-se
×
Enviar Lista de EPIs por E-mail
Remetente:
E-mail Remetente:
Destinatário:
E-mail Destinatário:
Mensagem:
Enviar
×
Minha Lista de EPIs Nenhum Item
×

O que é CA?

O CA - Certificado de Aprovação - é um documento emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego que tem por finalidade avaliar e manter um padrão nos equipamento de proteção.

A NR6 - que regulariza os equipamentos de proteção individual - exige que todo equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a marcação do CA.

Para se obter um CA, o fabricante ou importador, deve enviar uma amostra do equipamento para um laboratório autorizado, o laboratório faz testes com esse equipamento e emite um laudo com as características do produto. Esse laudo é enviado ao MTE para emissão do CA que garantirá o padrão dos equipamentos que devem obedecer as especificações presentes no laudo.

Como funciona o Portal ConsultaCA.com? Assista nosso vídeo!